The Free Dictionary  
mailing list For webmasters
Welcome Guest Forum Search | Active Topics | Members

Um texto de Saramago Options
Gil
Posted: Saturday, July 11, 2009 2:44:20 PM
Rank: Advanced Member

Joined: 3/13/2009
Posts: 77
Neurons: 313
Transcrevo adiante um texto de José Saramago que achei bem interessante acerca de tradução/escrita. Aproveitem. Comentem. O local é "O Caderno de Saramago" (http://caderno.josesaramago.org), e - para quem gosta do autor - é bom de se ler (folhear?).


Traduzir

By José Saramago

Escrever é traduzir. Sempre o será. Mesmo quando estivermos a utilizar a nossa própria língua. Transportamos o que vemos e o que sentimos (supondo que o ver e o sentir, como em geral os entendemos, sejam algo mais que as palavras com o que nos vem sendo relativamente possível expressar o visto e o sentido…) para um código convencional de signos, a escrita, e deixamos às circunstâncias e aos acasos da comunicação a responsabilidade de fazer chegar à inteligência do leitor, não a integridade da experiência que nos propusemos transmitir (inevitavelmente parcelar em relação à realidade de que se havia alimentado), mas ao menos uma sombra do que no fundo do nosso espírito sabemos ser intraduzível, por exemplo, a emoção pura de um encontro, o deslumbramento de uma descoberta, esse instante fugaz de silêncio anterior à palavra que vai ficar na memória como o resto de um sonho que o tempo não apagará por completo.

O trabalho de quem traduz consistirá, portanto, em passar a outro idioma (em princípio, o seu próprio) aquilo que na obra e no idioma originais já havia sido “tradução”, isto é, uma determinada percepção de uma realidade social, histórica, ideológica e cultural que não é a do tradutor, substanciada, essa percepção, num entramado linguístico e semântico que igualmente não é o seu. O texto original representa unicamente uma das “traduções” possíveis da experiência da realidade do autor, estando o tradutor obrigado a converter o “texto-tradução” em “tradução-texto”, inevitavelmente ambivalente, porquanto, depois de ter começado por captar a experiência da realidade objecto da sua atenção, o tradutor realiza o trabalho maior de transportá-la intacta para o entramado linguístico e semântico da realidade (outra) para que está encarregado de traduzir, respeitando, ao mesmo tempo, o lugar de onde veio e o lugar para onde vai. Para o tradutor, o instante do silêncio anterior à palavra é pois como o limiar de uma passagem “alquímica” em que o que é precisa de se transformar noutra coisa para continuar a ser o que havia sido. O diálogo entre o autor e o tradutor, na relação entre o texto que é e o texto a ser, não é apenas entre duas personalidades particulares que hão-de completar-se, é sobretudo um encontro entre duas culturas colectivas que devem reconhecer-se.

sklinke
Posted: Monday, July 13, 2009 7:58:39 PM
Rank: Advanced Member

Joined: 3/11/2009
Posts: 345
Neurons: 1,038
Location: Australia
Oi Gil

Excelente o seu post (traduzimos essa palavra?).

O Saramago é um gênio e está infinitamente correto ao afirmar que a tradução é "um encontro entre duas culturas colectivas que devem reconhecer-se."


Às vezes reviso traduções e o texto final é literal (e errado) pois há falta de conhecimento sobre a cultura por parte do tradutor.

Fico pensando na reação do Saramago quando assistiu à "tradução" para o cinema do livro Ensaio sobre a Cegueira.

Eu não vi o filme, você viu?
Gil
Posted: Monday, July 13, 2009 9:55:02 PM
Rank: Advanced Member

Joined: 3/13/2009
Posts: 77
Neurons: 313
Eu usaria tópico, e os "posts" dentro de cada tópico, verteria para comentários. A primeira idéia do significado de "post" que me vem à cabeça, sem consulta, é a de "posto", no sentido de "colocado em resposta"... daí achar que comentário cairia bem.

Não vi o filme, somente li o texto (na minha classificação pessoal, entrou no grupo "literatura fantástico-fascinante" Dancing, junto com Cortázar, Borges e outros).

Em linguagens/formas de expressão tão distintas, creio que um dos principais elementos a definir o sucesso de uma adaptação do livro pro cinema é acertar a transposição do tempo, do ritmo. Quer ver um exemplo que acho primoroso? São Bernardo, do Graciliano Ramos, na adaptação do Leon Hirschman. Tem uma cena que retrata alguém tirando um cochilo numa rede, de tarde, num dia de verão, numa fazenda do interiorzão, naquele mormaço que só se encontra aqui, com direito a grilos e aquela quietude alucinante... Eu lhe garanto, é tão bem filmado que nenhuma tecnologia de interatividade conseguiria reproduzir a sensação! Applause
sklinke
Posted: Sunday, July 19, 2009 8:48:45 PM
Rank: Advanced Member

Joined: 3/11/2009
Posts: 345
Neurons: 1,038
Location: Australia
Não vi São Bernardo, mas vou colocar na lista.

Concordo que algumas cenas são geniais e não há tecnologia que ganhe da sensibilidade.

Lembro-me de ter ficado impressionada com o final de Casa de Areia (tudo bem, é a Fernanda Montenegro que está láApplause). Encontrei agora no YouTube:

http://www.youtube.com/watch?v=NGfkaOzPA64

São 7 minutos quase sem diálogo, mas encantadores. Angel
R1c4rd0
Posted: Wednesday, November 25, 2009 10:46:02 AM
Rank: Newbie

Joined: 11/25/2009
Posts: 5
Neurons: 15
Location: Brazil
Tomei a liberdade de publicar esse texto no meu blog, que infelizmente não tenho tempo para atualizar devido aos compromissos. Obrigado por compartilhá-lo conosco.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?
- Ferreira Gullar
Users browsing this topic
Guest


Forum Jump
You cannot post new topics in this forum.
You cannot reply to topics in this forum.
You cannot delete your posts in this forum.
You cannot edit your posts in this forum.
You cannot create polls in this forum.
You cannot vote in polls in this forum.